Tal como fosse saltar dos livros de história para a Via del Vino, a saga da imigração italiana em Bento Gonçalves ganhou contornos reais com a passagem dos distritos durante o Desfile Cultural da 17ª Fenavinho, no domingo (22). O momento foi um dos pontos altos da programação do Vinho Encanado, que iniciou na noite de sexta-feira (20) e colecionou destaques ao longo de três dias, como os Jogos Coloniais no sábado, e a programação artística que contou com o tenor Dirceu Pastori, o humorista Badin e a peça teatral “Radicci e Genoveva”.

A plateia volumosa, que se espremeu às margens da Via del Vino, congraçou o corso do Vale dos Vinhedos, de São Pedro, de Tuiuty e de Faria Lemos pela Rua Marechal Deodoro, numa simbiose plena de identificação entre quem assistia e quem passava pela avenida.

O Desfile Cultural contabilizou pontos para definir o grande campeão dos Jogos Coloniais (somado ao resultado das oito provas disputadas no sábado – Corrida de barricas, Arremesso de queijo; Corrida de carriola; Fazendo bígoli; Cabo de guerra; Jogo de ferradura; Taça e garrafão; e Mini 48, que teve o distrito de Faria Lemos como protagonista do melhor desempenho).

O resultado será divulgado no dia 13 de junho, quando ocorrerá a cerimônia de premiação durante a programação da Vila Típica da Fenavinho, que ocorrerá juntamente com a ExpoBento, entre os dias 9 e 19 de junho. Para definir o campeão, a comissão julgadora analisará critérios como caracterização, carros temáticos, enredo, alegorias, adereços e harmonia. O distrito campeão receberá R$ 10 mil. O segundo colocado ganhará R$ 4 mil, enquanto os terceiro e quarto lugares terão como premiação R$ 2 mil cada. Os valores são destinados às escolas de cada distrito.

O que os distritos mostraram
Esse espelho da cidade foi refletido com o desfile das comunidades do interior. Primeiro distrito a passar na avenida, o Vale dos Vinhedos apresentou a saída dos italianos de seu país e a chegada a Bento Gonçalves, com a presença de cerca de 45 pessoas. Por isso, o primeiro carro, dos quatro que a comunidade apresentou, emulou o navio a vapor que transportou milhares de imigrantes ao Brasil.

No segundo, viu-se a chegada deles até a então colônia Dona Isabel, a partir de Montenegro, enfrentando uma longa caminhada em meio à densa mata nativa, exatamente a representação do terceiro carro, a fim de demonstrar a dificuldade que eles tiveram para produzir o próprio alimento. Uma realidade bem diferente da “Mérica” vendida como o país da “cuccagna”, a terra da fartura, como mostrou o último carro do distrito a cruzar Via del Vino.

Na sequência, a avenida foi ocupada pelo distrito de São Pedro. Cerca de 40 moradores mostraram, também em quatro carros, o tema fé e trabalho no campo. O primeiro deles exibiu o ciclo da parreira, enquanto o segundo mostrou a evolução do plantio, a rudimentar stanguera, a latada, ainda muito utilizada, a espaldeira e a coberta.

No carro seguinte, o distrito mostrou a evolução dos equipamentos utilizados no tratamento das videiras – da máquina costal manual, feita em madeira, passando pela produzida em cobre e pela bomba fixa manual, até chegar ao atomizador costal motorizado e o pulverizador acoplado no trator. No último carro, o resultado disso tudo: o vinho, sustento das famílias e símbolo do município.

Tuiuty foi o terceiro distrito a desfilar na Marechal Deodoro. E o vinho, assim como a gastronomia, foram os temas apresentados pelos cerca de 40 participantes. O vinho, desde a colheita da uva até a elaboração da bebida, com a antiga pisa do fruto, bem como o preparo de iguarias típicas, marcou a passagem do distrito pela avenida. Bígoli, capeletti, salame, queijo, polenta e a famosa torta tirolesa, símbolo de sua gente e de sua cultura, inclusive instituído pela municipalidade, estiveram no rol da representação gastronômica da região.

O distrito apresentou três carros, além de um animado tuc-tuc. A confraternização dos participantes com o público foi total, com muitos passando com vinho “bag in box” para servir a comunidade que assistia.

Com os temas saberes e fazeres do imigrante e diversão, o distrito de Faria Lemos encerrou o corso, com a presença de cerca de 70 moradores e de quatro carros. O primeiro deles trouxe a dança, uma das formas de expressão cultural dos imigrantes. A dressa, o crochê, a costura e os cuidados no lar tiveram vez no segundo carro, com os afazeres principalmente sob responsabilidade feminina.

As brincadeiras de antigamente, como 5 Marias, bonecas de milho e bolinha de gude, estiveram representadas no terceiro carro. O último trouxe a beleza das candidatas de Faria Lemos que participaram do concurso de escolha da imperatriz da Fenavinho.

Para encerrar o desfile, o carro com a corte da 17ª Fenavinho, a Imperatriz do Vinho, Laís Dupont, e as Damas de Honra, Raiane Conci e Letícia Beliski; e o comitê desta edição da festa, passou para confraternizar com o público. Além da tradicional Pipa da Fenavinho no carro, houve a distribuição de vinho e ingressos para a 17ª Fenavinho à comunidade. O maroto Tasta Vin, que interviu no desfile de todos os distritos, ora pegando carona nos carros, ora desfilando, também dividiu presença no carro da corte. Atrás dele, ainda desfilou o carro das autoridades, entre elas o prefeito Diogo Siqueira.

Das torneiras, jorram vinho e sucesso
O Vinho Encanado, um dos símbolos da Fenavinho, mais uma vez comprovou sua popularidade. No acumulado entre os três períodos em que funcionou, sexta à noite e sábado e domingo de tarde, foram comercializadas 3,4 mil doses dos vinhos fornecidos pela Vinícola Miolo (2,4 mil de tinto e 1 mil de branco). Já de suco, da Cooperativa Vinícola Aurora, os números alcançaram a marca de 600 doses. Ao todo, foram comercializadas 2,2 mil taças personalizadas da Fenavinho.

Em meio à alegria que tomou conta da Via del Vino, o coordenador do comitê da Fenavinho, Roberto Cainelli Júnior, destacou a união comunitária promovida pela festa. “Mais uma vez foi uma festa feita a incontáveis mãos, com a participação de muita gente, especialmente dos nossos distritos. Eles são a essência da nossa cultura, e trouxemos isso para a cidade de modo a promover e valorizar a herança do imigrante”, destacou.

A celebração em torno da figura dos primeiros italianos que povoaram a cidade também foi saudada por Gabrielle Signor, responsável pelos Eventos Externos do comitê da Fenavinho. “Tudo foi muito planejado para que as origens da cidade estivessem representadas, e conseguimos unir as mais de 40 comunidades dos nossos quatro distritos justamente para honrar, celebrar e preservar o que nos identifica como bento-gonçalvenses”, disse.

Tanta gente mobilizada pelos atrativos da programação também movimenta a economia. A presidente do CIC-BG, Marijane Paese, lembrou que o vinho simboliza o próprio início do desenvolvimento da cidade. “É muito especial num único evento termos tanta representatividade, social, econômica e cultural. Promover o vinho, que deu e continua a dar tanto para essa cidade, é uma obrigação que abraçamos com prazer”, exaltou.

Final dos Jogos Coloniais da 17ª Fenavinho diverte e conecta comunidades
Disputados, mas sobretudo animados e engajados na promoção da integração das comunidades do interior, os Jogos Coloniais da 17ª Fenavinho conheceram os vencedores das oito modalidades em competição no sábado (21).

A definição ocorreu a partir do enfrentamento entre os campeões das etapas distritais, realizadas nos dois finais de semana anteriores. A final dos jogos reuniu quem ficou no primeiro lugar no Vale dos Vinhedos, em Faria Lemos, em Tuiuty e em São Pedro nas provas de Arremesso de queijo, Corrida de carriola, Corrida de barricas, Fazendo bígoli, Cabo de guerra, Jogo de ferradura, Encher garrafão com taça e Mini 48, disputadas nas categorias masculino, feminino e misto.

O distrito de Faria Lemos se destacou na final e venceu seis categorias, do total de 11 disputadas (entre masculino e feminino). Vale dos Vinhedos e Tuiuty ficaram com duas vitórias cada, enquanto São Pedro ficou com uma.

Divertidos por si só, os jogos ainda ganharam a descontração do público, incentivado pelo travesso Tasta Vin, o mascote da Fenavinho que apareceu no meio da competição para fazer seus gracejos na avenida, e pelo mestre de cerimônias, que não dispensou o “talian” para se comunicar com a plateia.

Muitos dos jogos disputados na Via del Vino também são populares em algumas regiões da Itália, a pátria que legou o apreço pela cultura da vinha e do vinho na Serra através de seus imigrantes. “Celebramos, acima de tudo, a integração das comunidades, dos distritos que representam Bento Gonçalves. Essa é a essência da Fenavinho, uma festa edificada com a força de todos aqueles que vivenciam diariamente o legado da vitivinicultura”, disse o coordenador do comitê da 17ª Fenavinho, Roberto Cainelli Júnior.

Os vencedores dos Jogos Coloniais da 17ª Fenavinho

Arremesso de Queijo (feminino)
Faria Lemos: Emanuelle Dall Mass Anderle (23m80cm)

Arremesso de Queijo (masculino)
Vale dos Vinhedos: Gustavo Tonietto (44m)

Corrida de Carriola (feminino)
Faria Lemos: Catia Zaccaron/Daniela Dal Ponte Beque (0:23’22”)

Corrida de Carriola (masculino)
Faria Lemos: André Zaccaron/Tiago Cimadon (0:18’03”)

Corrida de Barricas (feminino)
Tuiuty: Michele Rodrigues dos Santos e Daniela Soso (0:22’94”)

Corrida de Barricas (masculino)
Faria Lemos: Luis Carlos Demari/Tiago Cimadon (0:20’16”)

Fazendo Bígoli (misto)
São Pedro: Jean Carlos/Sergimar Gentilini/Algemiro da Campo (776g)

Cabo de Guerra
Faria Lemos: Leandro Faccini/Gabriel Bortolini/Mateus Bortolini/Tiago Cimadon/Adriano Cimadon/Diego Casanova/André Zaccaron/Fábio Gabardo

Jogo da Ferradura
Tuiuty: Roque Daniel (30)

Taça e Garrafão
Faria Lemos: Gerson Luiz Zucco e Rosangela: 01:06,11

Mini 48
Vale dos Vinhedos: Mario Pereira (8)

Fenavinho se configura em Vila Típica durante a ExpoBento
Para quem não pôde acompanhar – ou quer reviver a alegria da intensa programação do Fenavinho na Via del Vino -, há mais uma oportunidade para prestigiar a festa. Desta vez, no Parque de Eventos do município. Entre os dias 9 e 19 de junho, a Fenavinho deixa o Vinho Encanado para a próxima a temporada e se configura na Vila Típica. O espaço, montado junto à estrutura da ExpoBento, emula um vilarejo típico do início do século 20. Ali, vinícolas famosas expõem seus produtos em meio a uma programação que contempla atrativos artísticos e gastronômicos.

Junto com eles, há uma grande oportunidade para aliar cultura com entretenimento e turismo de compra com a ExpoBento. A feira oferece ao visitante mais de 450 marcas expositoras e de 120 atrações culturais, além de shows de expressão nacional em comemoração à 30ª edição. Uma ótima forma de contemplar a enogastronomia local, celebrar as origens do povo de Bento Gonçalves e ainda curtir momentos de lazer e compras na maior feira multissetorial do país.

Fonte: Exata Comunicação / Foto: Divulgação

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here