A vida é feita de momentos. Alguns desses momentos extrapolam a esfera banal da existência, e se transformam em marcos, instantes de rara importância, capazes de alterar os rumos da História e da Humanidade. A Queda da Bastilha, a passagem do Mar Vermelho, a descoberta da Roda. Façanhas do homem, de fabuloso impacto, eternizadas nos livros e no inconsciente coletivo através dos anos e das décadas.

No âmbito esportivo, da mesma forma existem os grandes jogos, as grandes marcas e as jogadas inesquecíveis. Entretanto, quando o lance crucial não é registrado, através de fotos ou filmagens, o que resta é apenas a lenda, passada de boca em boca, como se fosse a versão adulta da brincadeira do telefone sem fio. Pode-se dizer de tudo sobre as fabulosas efemérides do esporte, mas, apenas quem esteve no estádio ou na arena onde aconteceu o improvável, é que pode testemunhar, com autoridade e razão.

Onde estarão os homens, mulheres e crianças que assistiram, desde a arquibancada do Estádio da Rua Javari, o famoso gol de Pelé, quando ele encobriu, de forma magistral, três defensores do Juventus antes de empurrar o couro para o fundo das redes?  Estamos em 1959, e Pelé acaba de deixar para a posteridade uma das suas pérolas preciosas, considerada pelo próprio “Rei” como um dos seus tentos mais bonitos.

Bem que o cineasta Aníbal Massaini tentou recriar, através de computação gráfica, o instante de puro funambulismo, em que Pelé aplicou um lençol em Homero, outro em Clóvis, e, para espanto da multidão, enganou o goleiro Mão de Onça com um novo lençol, antes de concluir para a meta desguarnecida do time da Mooca. De qualquer modo, toda e qualquer hipótese, mesmo que ela se mantenha fiel aos relatos jornalísticos da época, parece incapaz de satisfazer a curiosidade e a ânsia pela imagem em si, por uma visão real e insofismável do lance. Talvez o único caminho para apaziguar essa dúvida cruel seja aceitar o mito, a lenda, o disse-me-disse, como sendo a verdade.

Em 1961, outra joia rara de Pelé deixou de ser capturada pela câmara fria da televisão. Vale dizer que essa tecnologia apenas engatinhava na época, especialmente no Brasil. E talvez o lance, como se fosse uma cena de Hitchcock, merecesse o suporte preto e branco da tela grande do cinema. De qualquer maneira, o chamado vídeo-tape seria suficiente para que pudéssemos desfrutar da genialidade do craque mineiro sem problemas, quem sabe através de um simples clique, na hora e no local que quiséssemos.

O palco dessa façanha foi o relvado do Maracanã. Para realizar o seu famoso “Gol de Placa”, Pelé veio driblando desde o meio campo, fazendo uma espécie de “slalom” entre os jogadores do Fluminense. Valdo, Edmilson, Clóvis, Altair, Pinheiro e Jair Marinho foram iludidos de alguma maneira, até Pelé ficar frente a frente com Castilho. Expectativa e mistério pairam no ar. Com frieza, Pelé desloca Castilho. Dessa vez, o Boris Karloff das traves havia encontrado um rival à sua altura.  Gelo nas tribunas. O Santos é um visitante indesejado, mas, mesmo com a derrota sofrida, o torcedor carioca pôde regozijar-se com o golaço do nosso maior craque.

Existem algumas fotos do lance em que é possível ver a chusma dos atônitos defensores do Fluminense perseguindo Pelé, um deles caído no chão, enquanto Pelé, com a perna tesa e o olhar de matador, desfere o golpe fatal. Ao fundo, as arquibancadas vazias do Maracanã. Poucas testemunhas assistiram, in loco, o tremendo gol. A ideia de produzir uma placa para capturar a aura invisível do lance, foi do jornalista Joelmir Beting.

Alguns anos se passaram, até que, em 1970, todo o esplendor físico, técnico e artístico de Pelé foi capturado e assistido ao vivo (e até mesmo a cores) por milhões ao redor do planeta. Uma penca de dribles, passes e gols memoráveis foi concebida pelo Rei, durante a Copa do Mundo do México. Instantes únicos, dignos de repousarem no interior de uma caixinha de veludo.

Como esquecer o duelo entre Pelé e Mazurkiewicz, quando o nosso camisa dez aplicou uma finta desconcertante sobre o arqueiro uruguaio?   A esfera acabou saindo, caprichosamente, pela linha de fundo.  Mesmo que a jogada não tenha redundado em gol, Pelé foi ovacionado pelo mundo do futebol, sempre ávido por lampejos de criatividade e coragem. E o melhor de tudo é que são imagens disponíveis facilmente nos sítios digitais da internet.

Dizem que aquilo que os olhos não veem o coração não sente. Como é possível para nós saber o que aconteceu em 1972, durante o jogo entre River Plate e Independiente, pelo campeonato Nacional argentino? Como, sem ter visto, podemos sentir com intensidade algo de belo e prazeroso? Nós que não estávamos lá podemos apenas, em nossa imaginação, supor o que fez Beto Alonso. Uma das bandeiras do River através dos tempos, Alonso era ainda um garoto, quando “copiou” a jogada de Pelé em seu duelo contra Mazurkiewicz.

A diferença é que a conclusão de Alonso foi certeira, fazendo com que ele entrasse para o folclore futebolístico como alguém que fez o gol que nem mesmo Pelé conseguiu fazer. Alonso, inclusive, recebeu o apelido de “Pelé Branco” de um jornalista argentino. Se fizermos um jogo de espelhos, podemos dizer que o papel de Mazurkiewicz no lance coube a Santoro. Todo um personagem, ídolo da fanática torcida do Independiente, Santoro não teve a mesma sorte que o seu colega uruguaio, sendo obrigado a buscar a bola aninhada no fundo das redes da sua meta.

Diz a lenda que nem mesmo Beto Alonso conseguiu rever a sua jogada memorável. Imortalizada através de relatos de quem a narrou pelo rádio, ou escreveu a crônica do jogo, a façanha de Alonso permanece envolta nas brumas do mistério. Embora exista o registro fílmico de outros lances e até mesmo gols daquela partida, a obra-prima de Alonso, curiosamente, não pôde ser recuperada.

Um gesto singelo e magnífico, que vive apenas nas mentes e corações de quem foi sua testemunha ocular. Indivíduos que caminham pelas ruas como cofres ambulantes, depositários da lembrança, cada dia mais vaga, de um momento de fantasia e fascinação. Pequenos grãos de areia, escorrendo pela ampulheta implacável do tempo, até que o seu fluxo cesse por completo.

 

2 COMENTÁRIOS

  1. Caro Lucio,
    Excelente crônica. Acontecimentos que não foram captados por fotos ou filmagem, serem resgatados por
    um escritor, com certeza, embasados em muita pesquisa, transmitem aos que leem a certeza de que
    existiram. No caso do Pelé, no gol no Estadio da Rua Javari, em 1959, Ele mesmo confirmou!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here