Com o novo ano, o investidor brasileiro deve estar atento ao cenário econômico que vem por aí. Os principais fatores estão na posse do novo governo, que promete injetar ânimo na economia, e a ascensão do mercado financeiro digital – com as fintechs e criptomoedas. Diante disso, todos os investidores, sejam eles experientes ou iniciantes, devem estudar e analisar de forma minuciosa antes de aplicar seu dinheiro.

“Quem perde dinheiro, geralmente, é quem estuda pouco o mercado, não diversifica a carteira ou simplesmente não tem paciência”, explica o professor Daniel Cavagnari, coordenador do curso de Gestão Financeira do Centro Universitário Internacional Uninter. O perfil do investidor, segundo o professor, vai desde o mais conservador, que aposta em investimentos mais seguros, até o mais agressivo – que deve ser bastante paciente, pois quanto maior a intenção de rendimento, maiores serão os riscos.

Para os mais conservadores ou aqueles que estão iniciando, Cavagnari recomenda apostar em rendimentos de renda fixa – aqueles em que se sabe exatamente a taxa de rendimentos –, como o Tesouro Direto. Porém, por serem muito seguros, não há previsão de melhora dessas aplicações para 2019, já que dependem diretamente da taxa de juros básica, a Selic.

Já para aqueles que querem arriscar mais, vale a pena avaliar os investimentos de renda variável. O professor recomenda buscar o mercado financeiro digital, que está em alta e com grandes possibilidades de lucro. Nesse meio, é mais seguro buscar fintechs e investimentos em startups. Já as criptomoedas exigem maior cuidado, pois se trata de um objeto ainda em estudo e que tem grande volatilidade.

“Seja acima de tudo paciente, cauteloso e reserve algumas horas para estudar o mercado e investimentos disponíveis. Cuidado com promessas milagrosas e com ofertas em anúncios eletrônicos”, recomenda Cavagnari.

Para aqueles que mantêm suas reservas na caderneta de poupança, o professor recomenda mudar a mentalidade, principalmente se o dinheiro ficará parado por mais de seis meses. “Hoje em dia caderneta de poupança não é um investimento, e sim apenas uma garantia de recuperação da inflação. Paga um pouco mais que o Fundo de Garantia de Tempo de Serviço (FGTS), ou seja, não chega a 5% ao ano”, pontua.

 

Fonte: Assessoria de imprensa da Uninter / Foto: Reprodução Internet

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here