O desafio de refazer uma obra cinematográfica é, por si só, uma tarefa árdua. O nível de complexidade e o grau de risco se intensificam quando trata-se de um grande clássico da sétima arte e “O Rei Leão” definitivamente se enquadra nesta categoria. A partir desta quinta-feira (18), o público poderá conferir o resultado disso na nova produção da Disney.

A versão de 2019 reedita a animação 2D de 1994 em uma nova animação, totalmente digital e hiper-realista. A princípio, houve uma confusão de terminologias, já que o estúdio norte-americano veio com uma série de adaptações de outros sucessos como “A Bela e a Fera” e “Aladdin” em live-action, quando humanos interpretam os personagens oriundos de
animações. Não, O Rei Leão não é um live-action, mas, sim, outra animação. E o resultado
enche os olhos.

Apesar de ter 30 minutos adicionais em relação ao filme original, a história não muda muito, em linhas gerais. Ciclo da vida, morte de Mufasa, Timão e Pumba como pais adotivos de Simba, o embate contra Scar; está tudo lá. Talvez uma diferença marcante seja a presença com mais impacto de Nala – com vozes da megastar Beyoncé, na versão original, e de Iza, na dublagem nacional.

Sinopse:
Simba (Donald Glover) é um jovem leão cujo destino é se tornar o rei da selva. Entretanto, uma armadilha elaborada por seu tio Scar (Chiwetel Ejiofor) faz com que Mufasa (James Earl Jones), o atual rei, morra ao tentar salvar o filhote. Consumido pela culpa, Simba deixa o reino rumo a um local distante, onde encontra amigos que o ensinam a mais uma vez ter prazer pela vida.

Fonte: PortalCorreio / Foto: Reprodução Internet

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here