O Museu do Imigrante de Bento Gonçalves está comemorando 44 anos, neste 21 de maio de 2019. Sua trajetória foi construída por muitas mãos. Neste breve passeio, vamos pontuar alguns fatos que consolidou o Museu do Imigrante um dos símbolos máximos do município, destacando sua atual gestão, pois reflete a continuidade, o zelo e o comprometimento por aqueles que colaboraram na concretização deste patrimônio. Desde a sua reabertura, em 2016, já visitaram em torno de 20 mil pessoas.

O marco inicial foi uma exposição de curta duração, para chamar a atenção das autoridades e da população sobre a importância do patrimônio legado pelos pioneiros colonizadores, realizada na Primeira Semana do Município em outubro de 1968, na gestão do Prefeito Milton Rosa.

Em 18 de dezembro de 1974, o então prefeito Darcy Pozza assinou o Decreto Municipal de nº 566, que institui o Museu do Imigrante, tendo começado suas atividades em 21 de maio de 1975, constituindo o patrimônio histórico material e imaterial de Bento Gonçalves. Desde os primeiros imigrantes, passando por sua emancipação e desenvolvimento ao longo das décadas, a instituição conjuga o passado, o presente e o futuro, tecendo múltiplas narrativas que delineiam a história, as lutas, a culinária, o trabalho, a religiosidade, o entretenimento, onde se entra em contato com o coletivo e o particular da saga de várias etnias.

Desde 2010 o Museu ficou fechado. Após seis anos, e com a preocupação e o empenho da Administração Municipal de devolver à comunidade seu legado, o Museu reabriu no dia 25 de junho de 2016, após o restauro iniciado em setembro de 2015. Foi um período de remoção de alvenarias, do reboco interno e externo degradado, além do tratamento de revestimento interno, remoção de pisos e azulejaria, da tubulação hidráulica, limpeza e imunização dos assoalhos de madeira, dos vigamentos estruturais, entre outros trabalhos.

A equipe do Museu do Imigrante vem desenvolvendo uma série de atividades nas áreas de educação patrimonial, comunicação, expografia, conservação e preservação do seu acervo. Tem seu principal marco atual na publicação do Plano Museológico, em janeiro de 2018, que organiza diretrizes para a melhoria de seu funcionamento.

Com uma vasta coleção de itens, a instituição conta com acervo museológico, arquivístico e bibliográfico, contendo diferentes coleções para cada acervo. Por exemplo, coleção de mapas e plantas, coleção de indumentária, diferentes coleções tridimensionais, coleção de documento, correspondências, materiais religiosos, coleção arqueológica, dentre outras.

Programas Educativos
O programa educativo do Museu do Imigrante disponibiliza à comunidade de Bento Gonçalves três projetos: Caixas de Memória, consiste em um recurso pedagógico contendo objetos do acervo não catalogado do Museu do Imigrante, para utilização em atividades em sala de aula. São três caixas de memória disponibilizadas gratuitamente para as escolas da região. (Re) conhecer, este projeto visa oferecer, ao público escolar de Bento Gonçalves, uma ação educativa colaborativa entre Museu do Imigrante e Fundação Casa das Artes.

O objetivo é fortalecer os laços de pertencimento das pessoas com a cidade, conjugando aspectos históricos e artístico, através da mediação cultural dialogada pelo Museu do Imigrante e Fundação Casa das Artes objetivando estimular o pensamento crítico sobre o processo histórico da região e os laços de pertencimento dos estudantes com o patrimônio cultural da região. Aprendendo com o Museu: Oficina de conservação preventiva, trata-se de uma ação de educação para o patrimônio onde se pretende aproximar estudantes das rotinas internas do Museu por meio de práticas de conservação preventiva em diferentes acervos.

Em diálogo o Museu do Imigrante, em parceria com sua Associação de Amigos, promove o projeto Café com Memória, que busca registrar e compartilhar as memórias orais sobre o município de Bento Gonçalves objetivando a transmissão de saberes às novas gerações. O projeto teve início no segundo semestre de 2017 e até o momento foram realizadas 9 edições: Histórias da Fenavinho, Histórias das Vinícolas antigas de Bento Gonçalves, História das mulheres de Bento Gonçalves, Histórias da indústria moveleira de Bento Gonçalves, Histórias da Indústria Moveleira de Bento Gonçalves (segunda edição), Histórias dos jornais e jornalistas de Bento Gonçalves, História dos moinhos de Bento Gonçalves, História da dança em Bento Gonçalves, Cultura Polonesa em Bento Gonçalves. Gerando um significativo acervo de história oral para a instituição.

Exposições e eventos
Desde 2016, forma realizadas em torno de 20 exposições temporárias criando uma dinamicidade de público e comunicação do acervo. Em conjunto, destaca-se a participação do Museu em todos os eventos do calendário de ações nacionais proposto pelo IBRAM e de algumas atividades propostas pela comunidade, como Semana Nacional dos Museus, Primavera dos Museus, Jantar Sob as Estrelas, Noite no Museu, Semana da Cultura e da Arte Italiana, Polenta & Vin, Uma Bella Serata, dentre outros

Reserva Técnica
O programa de acervos vem sendo conduzido através da curadoria dos diferentes acervos da instituição visando à realização do inventário dos itens. Durante o segundo semestre de 2018 recebemos a estudante Luiza Ambrosi que realizou o seu estágio curricular do curso de Museologia/UFRGS no Museu do Imigrante. No planejamento das suas ações foi acordado que seu trabalho seria direcionado para a coleção indumentária do Museu, na área de conservação preventiva, foram analisadas 354 peças. De acordo com a museóloga Deise Formolo: “Nossas atividades estão sendo planejadas sempre pensando a aproximação com as diferentes comunidades de Bento Gonçalves, muito trabalho precisa ser feito, mas acreditamos no potencial da nossa instituição e no impacto positivo para Bento Gonçalves”

No acervo arquivístico, o trabalho da estudante, Angela Marini, produziu as seguintes ações: Reconhecimento e identificação do acervo com a confecção de uma tabela em excel, fotografia dos documentos e disponibilização do acervo na plataforma Phl. Foram identificados até o momento em torno de 800 documentos. No acervo bibliográfico, a assistente cultural, Sabrina Greselle, organizou, higienizou mais de 1000 livros que estão disponíveis à comunidade para consulta local.

Fonte: Assessoria de Comunicação / Foto: Divulgação

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here