A Êa Êa Apepê Produções apresenta o 1º Adentro – Mostra Interiorana do Cinema Gaúcho. O evento acontece em Caxias do Sul nos dias 16, 17, 18, 23, 24 e 25 de setembro, no Centro Cultural Ordovás (R. Luiz Antunes, 312).

As cidades de Lajeado, Três Passos, Santa Maria, Cachoeira do Sul, Pelotas e Santa Rosa também sediam o festival até novembro. A entrada é franca. A seleção reúne sete longas e sete curtas da safra recente de produções gaúchas. Ao todo estão previstas 49 sessões gratuitas, com exibições e debates com realizadores. A seleção de longas-metragens inclui “Mulher do Pai” (2016), de Cristiane Oliveira; “Eles Vieram e Roubaram sua Alma” (2017), de Daniel De Bem; “Morro do Céu” (2011), de Gustavo Spolidoro; “Música para Quando as Luzes se Apagam” (2017), de Ismael Caneppele; “O Último Poema” (2017), de Mirela Kruel; “Pra Ficar na História” (2017), de Boca Migotto e “Rifle” (2016), de Davi Pretto. O cineasta Henrique Lahude assina a curadoria e direção geral. O financiamento é do Sistema Pró-Cultura, da Secretaria de Estado da Cultura (Sedac-RS). Maiores informações no site fb.me/mostra.adentro.

A mostra começou em Lajeado este mês e prossegue em Caxias e outros municípios. Em Três Passos, o festival acontece de 16 a 21 de setembro no Cine Globo. Na cidade de Santa Maria, o auditório da UFSM sediará as exibições de 30 de setembro a 6 de novembro. Em Cachoeira do Sul, os filmes serão exibidos no Viveiro Cultural de 7 de outubro a 2 de novembro. Em Pelotas, as sessões acontecem de 21 a 25 de outubro na UFPEL. O festival termina em Santa Rosa, de 28 de outubro a 2 de novembro, no Cine Globo. Um curta-metragem será exibido antes de cada longa. Entre os destaques dos curtas está o desenho animado pelotense “Só Sei Que Foi Assim” e o documentário “Um Corpo Feminino”, ambos premiados no Festival de Gramado e realizados por jovens diretoras.

“A mostra foi criada com a intenção de fazer o interior se identificar nas telas”, resume Lahude. “Nos últimos anos a produção de filmes se voltou muito para o interior, não só com as temáticas, mas também com seus profissionais”, explica. Ele aponta como exemplo o crescimento de produções como as dos cursos de cinema da UFPEL (Universidade Federal de Pelotas) e Unisc (Universidade de Santa Cruz do Sul). “Pessoas do interior que vieram para Porto Alegre começaram a se voltar também para suas infâncias, para o seu passado e muitos filmes dos últimos dez anos tratam de temáticas ou estão em cenários interioranos”, observa. O curador acredita na força do cinema quando o expectador consegue se identificar na tela. “Quando tem personagens e geografias que eu identifico na tela, a força do cinema vem muito mais forte”, conclui. A mostra também busca valorizar espaços fora do circuito comercial de shopping centers, como cinemas de calçada e espaços culturais.

Entre os 14 títulos selecionados, a maioria dirigidos por mulheres, estão reunidas produções aclamadas por público e crítica. Outro critério para a seleção foi a diversidade temática, que reúne ficção, documentários e animações. “Mulher do Pai”, vencedora de três prêmios no Festival do Rio, pega emprestado as paisagens da fronteira do Rio Grande do Sul com o Uruguai, próxima a Dom Pedrito, para contar o drama intimista de uma jovem e seu pai. Outra produção que também utilizou a mesma região foi o suspense “Rifle”, premiado no Festival de Brasília. O Morro do Céu, localizado em Cotiporã, na serra gaúcha, dá nome ao documentário que acompanha o dia a dia da juventude rural. Outro documentário rodado na serra é “Pra Ficar na História”, que mostra o empenho de um colecionador para preservar memória da imigração italiana em Garibaldi.

Longas
Eles Vieram e Roubaram sua Alma (2017), de Daniel De Bem;
Morro do Céu (2011), de Gustavo Spolidoro;
Mulher do Pai (2016), de Cristiane Oliveira;
Música para Quando as Luzes se Apagam (2017), de Ismael Caneppele;
O Último Poema (2017), de Mirela Kruel;
Pra Ficar na História (2017), de Boca Migotto;
Rifle (2016), de Davi Pretto.

Curtas
Contra Feitiço (2017), de Murilo Jardim; (na foto)
Da Terra Vem (2017), de Camila Albrecht e Takeo Ito;
Princesa Morta do Jacuí (2018), de Marcela Ilha Bordin;
Que Som Tem a Distância? (2018), de Marcela Schild;
Sesmaria (2015), de Gabriela Richter Lamas;
Só Sei Que Foi Assim (2018), de Giovanna Muzzel;
Um Corpo Feminino (2018), de Thais Fernandes.

Programação Caxias do Sul
1º Adentro – Mostra Interiorana do Cinema Gaúcho
Entrada franca
Um curta-metragem será exibido antes de cada longa.

Caxias do Sul
16, 17 e 18 de setembro / 23, 24 e 25 de setembro – Centro Cultural Ordovás – R. Luiz Antunes, 312
16/09 (seg) – 19h – Da Terra Vem + Rifle;
17/09 (ter) – 15h – Princesa Morta do Jacuí + Mulher do Pai;
18/09 (qua) – 15h – Contra Feitiço + Morro do Céu;
23/09 (seg) – 15h – Que Som Tem a Distância? + O Último Poema – sessão terceira idade; 19h – Sesmaria + Pra Ficar na História – sessão comentada;
24/09 (ter) – 19h – Um Corpo Feminino + Música para Quando as Luzes Se Apagam;
25/09 (qua) – 9h – Só Sei Que Foi Assim + Eles Vieram e Roubaram sua Alma – sessão escolar.

Fonte: Assessoria de Imprensa / Foto: Reprodução Internet

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here