A Fisioterapia Intensiva é uma especialidade reconhecida pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito). É uma atividade ligada a pacientes em estado crítico, onde o fisioterapeuta intensivista é quem realiza a manutenção da assistência ventilatória, a reintegração funcional, além de intervenções terapêuticas em pessoas que estão com diversas disfunções de sistemas orgânicos em Unidades de Terapia Intensiva (UTI).

Neste sentido o fisioterapeuta intensivista desempenha um importante papel no combate às pandemias, como esta da COVID-19, pois possui a função de contribuir e diminuir os sintomas ocasionados pela doença.

Para a fisioterapeuta Bianca Ott, o profissional tem feito toda a diferença nesse período que estamos vivendo. “A fisioterapia é uma profissão abrangente e tem 15 especialidades reconhecidas: acupuntura, aquática, cardiovascular, dermatofuncional, esportiva, gerontologia, do trabalho, neurofuncional, oncologia, respiratória, traumato-ortopédica, osteopatia, quiropraxia, saúde da mulher e terapia intensiva.”

No caso específico da COVID-19, é o fisioterapeuta intensivista quem faz o gerenciamento da ventilação mecânica, invasiva e não invasiva. Além de outros aspectos como: avaliação e realização da titulação de oxigênio, rápida saída do paciente do ventilador mecânico, prevenção de complicações pulmonares por meio de manobras e técnicas específicas, e aplicação de manobras motoras com o intuito de reduzir incidências de agravos relacionados à permanência na UTI. Bianca ressalta a importância de ter o o fisioterapeuta junto com a equipe médica.

“Os pacientes afetados com Covid-19 apresentam, na sua grande maioria, insuficiência respiratória aguda hipoxêmica. No primeiro momento, o fisioterapeuta tem como objetivo estabilizar a disfunção respiratória utilizando técnicas e dispositivos específicos para cada caso, com vistas na recuperação do sistema cardiorrespiratório”, destaca Bianca

O fisioterapeuta integra a equipe interdisciplinar e tem um papel fundamental no cuidado do paciente crítico. Apresenta uma visão ampla sobre a gravidade do paciente, pois compreende todos os sistemas envolvidos. Compartilha a responsabilidade do manejo do suporte ventilatório, seja invasivo ou não invasivo, e é de sua competência promover o desmame da ventilação mecânica para que o paciente tenha sua capacidade respiratória restabelecida. Faz parte da função do fisioterapeuta otimizar a mobilização precoce a fim de minimizar efeitos deletérios do imobilismo, priorizando a qualidade de vida e o retorno a função de cada paciente.

O profissional ganhou novos olhares durante a pandemia, com maior enfoque e valor. Assim como outras áreas da saúde está em crescimento desde o último ano. Para Bianca é gratificante poder ajudar as pessoas na recuperação e de todo o processo na UTI

“Trabalhar, especialmente na UTI, com pacientes críticos se torna desafiador e ao mesmo tempo engrandecedor. Cresci profissionalmente e amadureci emocionalmente com experiências obtidas com pacientes e também com a equipe. E, pessoalmente, é muito especial saber que ajudamos todos os dias pessoas a saírem de uma situação grave para voltarem recuperados às suas famílias e atividades que exerciam previamente”.

Para ela, a situação atual do mundo exige muito mais empatia e amor ao próximo. E para os profissionais da saúde muito mais, onde o ‘correr’ pela vida tem se tornado uma batalha diária contra o tempo e uma doença ainda sem cura.

“Através da disseminação incontrolável de um vírus, o fisioterapeuta foi amplamente reconhecido como profissional essencial na assistência do paciente crítico. O trabalho executado de forma incansável tornou todos os profissionais de saúde protagonistas no combate à Covid-19.
Vejo o destaque do fisioterapeuta como valorização dos esforços realizados, daqueles que abriram mão de suas famílias para cuidar da vida do outro”.

Para Bianca, o fisioterapeuta tende a ser reconhecido ainda mais, já que hoje com a pandemia as pessoas entendem o quão o profissional é essencial dentro das UTIs e na recuperação dos pacientes.

“Tendo em vista a visibilidade e reconhecimento que o fisioterapeuta obteve no último ano, acredito que a profissão tende a crescer cada vez mais. Novas áreas e tecnologias estão surgindo com o intuito de prevenir e promover a saúde. Hoje, no Dia Mundial da Fisioterapia cito Carl Jung, psiquiatra suíço: “conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana”.

A Fisioterapia Intensiva é uma especialidade reconhecida pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito). É uma atividade ligada a pacientes em estado crítico, onde o fisioterapeuta intensivista é quem realiza a manutenção da assistência ventilatória, a reintegração funcional, além de intervenções terapêuticas em pessoas que estão com diversas disfunções de sistemas orgânicos em Unidades de Terapia Intensiva (UTI).

Neste sentido o fisioterapeuta intensivista desempenha um importante papel no combate às pandemias, como esta da COVID-19, pois possui a função de contribuir e diminuir os sintomas ocasionados pela doença.

Para a fisioterapeuta Bianca Ott, o profissional tem feito toda a diferença nesse período que estamos vivendo. “A fisioterapia é uma profissão abrangente e tem 15 especialidades reconhecidas: acupuntura, aquática, cardiovascular, dermatofuncional, esportiva, gerontologia, do trabalho, neurofuncional, oncologia, respiratória, traumato-ortopédica, osteopatia, quiropraxia, saúde da mulher e terapia intensiva.”

No caso específico da COVID-19, é o fisioterapeuta intensivista quem faz o gerenciamento da ventilação mecânica, invasiva e não invasiva. Além de outros aspectos como: avaliação e realização da titulação de oxigênio, rápida saída do paciente do ventilador mecânico, prevenção de complicações pulmonares por meio de manobras e técnicas específicas, e aplicação de manobras motoras com o intuito de reduzir incidências de agravos relacionados à permanência na UTI. Bianca ressalta a importância de ter o o fisioterapeuta junto com a equipe médica.

“Os pacientes afetados com Covid-19 apresentam, na sua grande maioria, insuficiência respiratória aguda hipoxêmica. No primeiro momento, o fisioterapeuta tem como objetivo estabilizar a disfunção respiratória utilizando técnicas e dispositivos específicos para cada caso, com vistas na recuperação do sistema cardiorrespiratório”, destaca Bianca

O fisioterapeuta integra a equipe interdisciplinar e tem um papel fundamental no cuidado do paciente crítico. Apresenta uma visão ampla sobre a gravidade do paciente, pois compreende todos os sistemas envolvidos. Compartilha a responsabilidade do manejo do suporte ventilatório, seja invasivo ou não invasivo, e é de sua competência promover o desmame da ventilação mecânica para que o paciente tenha sua capacidade respiratória restabelecida. Faz parte da função do fisioterapeuta otimizar a mobilização precoce a fim de minimizar efeitos deletérios do imobilismo, priorizando a qualidade de vida e o retorno a função de cada paciente.

O profissional ganhou novos olhares durante a pandemia, com maior enfoque e valor. Assim como outras áreas da saúde está em crescimento desde o último ano. Para Bianca é gratificante poder ajudar as pessoas na recuperação e de todo o processo na UTI

“Trabalhar, especialmente na UTI, com pacientes críticos se torna desafiador e ao mesmo tempo engrandecedor. Cresci profissionalmente e amadureci emocionalmente com experiências obtidas com pacientes e também com a equipe. E, pessoalmente, é muito especial saber que ajudamos todos os dias pessoas a saírem de uma situação grave para voltarem recuperados às suas famílias e atividades que exerciam previamente”.

Para ela, a situação atual do mundo exige muito mais empatia e amor ao próximo. E para os profissionais da saúde muito mais, onde o ‘correr’ pela vida tem se tornado uma batalha diária contra o tempo e uma doença ainda sem cura.

“Através da disseminação incontrolável de um vírus, o fisioterapeuta foi amplamente reconhecido como profissional essencial na assistência do paciente crítico. O trabalho executado de forma incansável tornou todos os profissionais de saúde protagonistas no combate à Covid-19.
Vejo o destaque do fisioterapeuta como valorização dos esforços realizados, daqueles que abriram mão de suas famílias para cuidar da vida do outro”.

Para Bianca, o fisioterapeuta tende a ser reconhecido ainda mais, já que hoje com a pandemia as pessoas entendem o quão o profissional é essencial dentro das UTIs e na recuperação dos pacientes.

“Tendo em vista a visibilidade e reconhecimento que o fisioterapeuta obteve no último ano, acredito que a profissão tende a crescer cada vez mais. Novas áreas e tecnologias estão surgindo com o intuito de prevenir e promover a saúde. Hoje, no Dia Mundial da Fisioterapia cito Carl Jung, psiquiatra suíço: “conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here