A Solar Serra está comemorando seis anos com números que ilustram o ótimo momento do setor de energia fotovoltaica na região Sul. A empresa gaúcha brinda o crescimento de mais de 208% de janeiro a setembro deste ano, com a instalação de mais de 30 mil placas, em mais de 400 obras. A organização tem matriz em Bento Gonçalves, conta com Centro de Distribuição em Veranópolis, ambas na Serra Gaúcha, além de escritórios em Concórdia, na região Oeste de Santa Catarina, e Curitiba, no Paraná.

Além da atuação no Sul do país, a Solar Serra tem clientes em Minas Gerais, Mato Grosso e Tocantins. No total, são 200 municípios já atendidos pela empresa. Para os próximos dois anos, o objetivo é dobrar o faturamento, com foco voltado para grandes obras e instalações de usinas de energia solar.

Proprietário da Solar Serra, o engenheiro eletricista Mário Henrique Bordignon, projeta uma expansão de mais 25% até o final do ano. Ele acredita que os constantes aumentos nas contas de luz, as sucessivas crises hídricas e a facilidade cada vez maior de ter acesso aos financiamentos compõem um cenário otimista para o setor e para a própria empresa.

“Para os próximos dois anos, o objetivo é dobrar o faturamento, com foco voltado para grandes obras e instalações de usinas de energia solar. O fato de sermos responsáveis por todas as etapas de instalação e termos nossa equipe própria também está entre os principais motivos que levam ao crescimento da empresa”, acredita.

O engenheiro eletricista também cita como um dos fatores para o crescimento, a parceria com a gigante WEG, pioneira no fornecimento de soluções em energia fotovoltaicas no mercado nacional.

“O consumidor se sente seguro por ter a garantia da qualidade e também por contar com uma empresa que vai entregar exatamente o que está no projeto. Do fio ao parafuso, das placas aos inversores, trabalhamos exclusivamente com produtos WEG. Além disso, os benefícios da energia solar estão cada vez mais difundidos e a economia que pode chegar a 95% na conta de luz faz com que todo o setor se beneficie deste cenário”, avalia o especialista.

Bordignon acrescenta que as linhas de financiamento voltadas à instalação de energia solar têm viabilizado obras de todos os portes, em residências, indústrias, comércio e propriedades rurais.

“Cerca de 90% das nossas obras são viabilizadas através de financiamentos. Esse investimento tem um retorno que pode variar de 3 até 5 anos, dependendo do porte da obra. São linhas com taxas de juros reduzidas e baixo risco para as instituições de crédito, já que o consumidor acaba trocando o custo com a energia elétrica pela parcela do financiamento”, explica.

Atualmente a empresa conta com 30 funcionários e projeta um crescimento na equipe para o atendimento nas unidades recém-inauguradas de Concórdia e Curitiba.

Setor em expansão
O momento da Solar Serra coincide com a expansão do setor de geração de energia fotovoltaica no país. Segundo dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), serão adicionados mais de 4,9 gigawatts (GW) de potência instalada até o final de 2021, entre usinas de grande porte e os sistemas distribuídos em telhados, fachadas e pequenos terrenos. Isso deverá representar um crescimento de quase 70% sobre a capacidade instalada atual. Ainda de acordo com as projeções da entidade, o setor deverá chegar ao final do ano com cerca de 377 mil empregos gerados desde 2012.

A ABSOLAR projeta ainda uma expansão de 90% até o final deste ano na geração de energia solar fotovoltaica distribuída no país, frente ao total já instalado até 2020, chegando a 8,3 GW. Em usinas solares de grande porte, o crescimento previsto é de 37%, passando de 3,1 GW para 4,2 GW.

Fonte: MCOM Comunicação / Foto: Divulgação

Engenheiro eletricista Mário Henrique Bordignon

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here