O surgimento do vinho orgânico é imparável. Não para de crescer. Mas o que é um vinho orgânico? Pois bem, aquela obtida de vinhas onde se evita o uso de fertilizantes de síntese química, pesticidas e herbicidas industriais. Portanto, os fertilizantes orgânicos são utilizados respeitando o meio ambiente natural, a biodiversidade e a saúde. Por outro lado, na adega, minimiza-se a adição de enxofre ao processo de vinificação e utiliza-se a utilização de leveduras nativas e clarificantes autorizados de origem vegetal e mineral. Os vinhos veganos também estão causando um grande impacto.

Tamanho é o interesse pela questão ecológica e pela sustentabilidade que em 2011 foi criada na Espanha a acreditação ambiental Wineries for Climate Protection (WfCP). Este certificado, gerido pela Federação Espanhola do Vinho (FEV) e concedido pela Associação Espanhola de Normalização (AENOR), é o único selo específico do setor vitivinícola em termos de sustentabilidade ambiental. A certificação WfCP visa a melhoria contínua e a sustentabilidade das adegas, atuando em quatro pilares fundamentais: redução das emissões de gases com efeito de estufa, gestão da água, redução do desperdício e eficiência energética e energias renováveis. Tem como objetivo tornar-se uma referência internacional na área vitivinícola e ambiental, buscando soluções e melhores práticas para as vinícolas.

O Ministério da Agricultura, Pesca e Alimentação (MAPA) publicou recentemente um estudo que mostra como o setor da agricultura orgânica, que inclui a produção orgânica da vinha, “continua seu intenso processo de crescimento e se configura como uma importante área diferenciada dentro de todo o território. Sistema alimentar espanhol ”, segundo o Observatório Espanhol do Mercado do Vinho. As culturas com maior implantação em termos de superfície ecológica, para além dos prados e pastagens permanentes, são os cereais, olivais, árvores de fruto e vinhas. Em 2019, um total de 41.840 produtores agrícolas orgânicos foram contabilizados na Espanha (5,90% a mais que em 2018); sendo 36.700 produtores agrícolas, 1.820 pecuaristas e 3.320 mistos.

De acordo com o estudo, encomendado pela Subdiretoria Geral de Qualidade Diferenciada e Produção Orgânica, a Espanha ocupa a décima posição no mercado mundial de produtos orgânicos em valor total das vendas orgânicas. Segundo o MAPA, “a Espanha já está incorporada no pequeno clube dos principais mercados consumidores mundiais de produtos orgânicos, embora ainda possa melhorar seu posicionamento estratégico nos próximos anos”.

O relatório destaca que a Espanha lidera o ranking mundial de superfície vinícola de produção orgânica, com quase 27% da produção mundial. Relativamente ao gasto dos consumidores espanhóis com produtos biológicos, em 2019 ascendeu a 2.363 milhões de euros, o que representa um acréscimo de 8,4% face a 2019 e cerca de 2,24% do consumo alimentar total de Espanha. O vinho ocupa a décima segunda posição no total da cesta básica de alimentos orgânicos. Segundo os últimos dados apresentados pelo Consell Català de la Producció Agrària Ecològica, a produção orgânica catalã já conta com mais de 4.000 operadores e um faturamento de 700 milhões de euros. A Catalunha consolidou sua liderança estatal na produção orgânica, e está entre os principais territórios em termos de conversão de vinhas para cultivo orgânico. Dos 53.699 hectares de vinhedos registrados em 2019 na Catalunha, pouco mais de um terço já são orgânicos.

Para denominações de origem como o Penedès, que almeja ser um vinho 100% orgânico, sem produtos químicos, “não é apenas um modismo”. A presidente do seu Conselho Regulador, Joan Huguet, destaca que “está comprovado que os benefícios do vinho aumentam com a agricultura biológica”. Da adega Jean Leon defende-se que “a viticultura biológica procura alcançar vinhas naturalmente equilibradas, respeitando o ritmo da vinha e ajudando ao máximo o próprio ecossistema”. Da mesma forma, a Ribera del Duero, que patenteou uma aplicação inovadora para facilitar o autocontrole e a certificação dos seus vinhos, é definida como uma Denominação de Origem pioneira em inovação e desenvolvimento, premiada e reconhecida “pelo seu trabalho na investigação e pelo seu compromisso com sustentabilidade e natureza ”.

A vinícola Jean Leon colabora com o Centro de Pesquisa Ecológica e Aplicações Florestais para determinar o potencial do solo do vinhedo para absorver o CO2 atmosférico e contribuir para conter a emergência climática. Este estudo de sequestro de carbono de três anos é realizado em uma de suas vinhas orgânicas, localizada no município de Torrelavit (Alt Penedès), e tem como objetivo estabelecer que tipo de cobertura vegetal permite reter maior quantidade de carbono no solo. Para a vinícola de Mireia Torres Maczassek, “o principal objetivo da viticultura orgânica é preservar o meio ambiente, manter ou aumentar a fertilidade do solo e fornecer alimentos com todas as suas propriedades naturais”. Salienta que “para além da viticultura ecológica que desenvolvemos em Jean Leon, em todas as adegas Familia Torres trabalhamos para reduzir as emissões de CO2 que geramos com a nossa actividade e queremos também contribuir para a redução das concentrações de CO2 antropogénico em. uma forma eficaz., sequestrando carbono e introduzindo-o em estruturas estáveis ​​do solo ”.

La Rioja Alta, como muitas outras vinícolas espanholas, enfrentou o que eles descrevem como um “novo marco” em seu compromisso determinado com o meio ambiente. Eles alocaram 16 hectares de seus vinhedos para a viticultura 100% orgânica. Para isso, o grupo vinícola escolheu, numa fase inicial, dois terrenos estratégicos: um de seis hectares na propriedade La Pedriza, em Tudelilla (Rioja Baja), plantado com Garnacha e o segundo, de dez hectares, pertencente à vinha de uva vermelha do país da vinícola Ribera del Duero Áster, em Anguix (Burgos). O diretor de viticultura de La Rioja Alta, Roberto Frías, está convencido de que “a eliminação total dos produtos químicos será benéfica para todos e, além disso, terá um efeito positivo na qualidade dos nossos vinhos”.

Jordi Vinyals, gerente geral do Grupo Marqués de Vargas (com vinícolas em Rioja, Rías Baixas e Ribera del Duero), afirma que “sempre pensamos que o vinho se faz na vinha”. Não tem dúvidas que “o solo desempenha um papel fundamental na expressão da originalidade, no sentido da singularidade e da qualidade de um vinho, nomeadamente em vinhos de propriedade ou de parcela como todos os nossos”. Desta forma, ele destaca que o solo de seus vinhedos é um patrimônio que deve ser valorizado e protegido por meio de práticas vitivinícolas que avancem para o cultivo 100% orgânico. A sua filosofia, então, é tratar o solo como um ser vivo: “um ecossistema do qual a vinha é mais um elemento”. Eles promovem a viticultura ecológica e sustentável como “um investimento de muito longo prazo”.

Por seu turno, a DO Cava anunciou que em 2025 a produção do Guarda Cavas Superior, categoria Premium que inclui os produtos Reserva, Gran Reserva e Paraje Calificado, será 100% biológica. Este é o resultado das exigentes novas regulamentações que a DO Cava tem adoptado, que tem zoneado a denominação de origem e segmentado os seus produtos, apostando na máxima rastreabilidade e qualidade. Na verdade, é a regulamentação mais exigente do mundo entre os vinhos espumantes de qualidade com DO elaborados segundo o rigoroso método tradicional. A Cava orgânica não para de ganhar peso, já que o número de garrafas produzidas e rotuladas no último ano calendário é praticamente igual ao de 2019 (-0,11%) apesar da crise da coroa. Isso, segundo o presidente do Conselho Regulador, Javier Pagés, confirma a tendência de que “a cava orgânica continua despertando grande interesse entre os consumidores.

Fonte: Lavanguardia / Foto: Reprodução Internet

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here