Ítalo Ferreira em ação nas Olimpíadas de Tóquio

“Planeta Terra, cidade Tóquio. Como todas as metrópoles, Tóquio encontra-se hoje em desvantagem na luta contra um dos seus maiores inimigos: a poluição. Haverá um dia em que a terra, a água e o ar se tornarão letais para toda e qualquer forma de vida. Quem poderá interferir?”.

Essa era a narração que acompanhava a abertura de um dos seriados mais populares entre as audiências infantis durante a década de 1980. Debruçados em frente ao aparelho de televisão, assistíamos as aventuras de heróis como Spectreman e Ultraman. A cidade de Tóquio e o distante Japão eram conceitos incipientes, que iam se formando em meio a um caldeirão de referências culturais norte-americanas, como os gibis da Disney e os filmes de Hollywood.

Com os jogos olímpicos de 2020, o país oriental voltou a habitar a imaginação das crianças de antigamente. A escuridão das águas da praia de Tsurigasaki, onde foram realizadas as provas do surf, por um instante trouxe de volta um velho fantasma. Teria a poluição triunfado sobre o homem, como pressagiava o narrador do seriado “Spectreman”? Nada disso. Na verdade, a cor das águas era apenas resultado da presença de algas no mar. Galgando as ondas com destreza, o potiguar Ítalo Ferreira conquistou a primeira medalha de ouro para o Brasil.

De qualquer maneira, o homem, com a sua ânsia pelo progresso e a sua contumaz falta de respeito com a natureza, acabou produzindo, neste começo de segundo milênio, novas e terríveis aberrações. A pandemia do coronavírus vem ceifando milhões de vidas, tendo, inclusive, provocado o adiamento das Olimpíadas de Tóquio. Como resultado, temos acompanhado as provas nas diversas modalidades esportivas com as quadras, estádios e ginásios praticamente vazios.

Dentro desse cenário desolador, a figura da pequena Rayssa Leal surgiu como um bálsamo para a torcida brasileira. Ao amealhar a medalha de prata no skate, a menina-prodígio conquistou Tóquio com a ternura das crianças e a garra de um veterano, umedecendo os olhos do mais duro telespectador. Além de atletas conhecidos, como Mayra Aguiar e Thiago Braz, novos personagens, como Rebeca Andrade, Abner Teixeira e Alison dos Santos subiram nos pódios da capital japonesa, dando esperanças de futuras alegrias para o esporte verde e amarelo.

Surpreendente também foi a atitude da norte-americana Simone Biles. Aureolada como favorita na ginástica olímpica, Simone acabou desistindo de participar de várias provas. A pressão absurda que pesava sobre os seus ombros fez com que a jovem optasse por uma pausa. Nesse sentido, podemos dizer que Simone foi um legítimo exemplo de prudência e coragem.

E aqui chegamos a um ponto em que é preciso perguntar qual seria, afinal, o verdadeiro papel do esporte? Se para forjar um ídolo e um campeão é preciso extrair deste ser todas as suas energias, chegando ao ponto de destituí-lo da sua sanidade física e mental, talvez estejamos indo pelo caminho errado.

A mística da frase cunhada pelo Barão de Coubertin permanece intacta. Como bem disse o idealizador dos jogos olímpicos da era moderna, “o importante é competir”. Entretanto, existem nuances de teor inexpugnável entre o instante sublime da vitória e o ostracismo da derrota. Um mistério que tentamos em vão desvendar, buscando encontrar um sentido ou algum tipo de consolo no drama de uma queda.

Afinal, a urgência pelo sucesso não afeta apenas os esportistas. Em um mundo onde só a vitória redime, vivemos reféns de perdas e fracassos sistemáticos, e às vezes a tarefa de seguir adiante acaba se tornando um fardo pesado demais, ou até mesmo uma quimera.

Lembro que, nos seriados que eu assistia, o ápice de cada episódio era o momento em que surgiam os monstros. Emergindo do fundo do mar ou debaixo da terra, essas criaturas gigantes e bizarras capturavam a atenção, e, de uma certa forma, cativavam. O fato é que os monstros não eram (pelo menos na minha cabeça) propriamente vilões, e quando os heróis Spectreman ou Ultramen venciam a luta final restava um sentimento triste e belo.

Um sentimento que se repete cada vez que presenciamos o mórbido e cotidiano desfile dos magotes de perdedores, quer sejam eles atletas lutando pelas cores do seu país, quer sejam eles ilustres desconhecidos lutando pelo pão de cada dia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here